Em época de enchentes, hidrelétricas e suas barragens trabalham a favor e não contra as comunidades ribeirinhas

Em época de enchentes, hidrelétricas e suas barragens trabalham a favor e não contra as comunidades ribeirinhas.

O fato das comportas estarem abertas não significa um possível rompimento da barragem como alguns internautas sugerem em seus blogs ou contas em redes sociais. Muito pelo contrário.

Além da indispensável energia necessária para o desenvolvimento e conforto de todos, as usinas hidrelétricas (ou hidroelétricas) são sistemas que transformam a energia contida na correnteza dos rios, em energia cinética que irá movimentar uma turbina e, esta um gerador que, por fim, irá gerar energia elétrica.

Partindo dessa informação básica sobre hidrelétrica, podemos chegar rapidamente a conclusão que em período de chuvas fortes, não existe a necessidade de represar a água para que sua força impulsione as turbinas. A forte correnteza nesse período se responsabiliza por isso.

Uma das maiores enchentes registradas em Imperatriz aconteceu em 1982 e fotos da época circulam em redes sociais de toda a região. Na foto, a Beira Rio completamente alagada. Nessa época não existiam hidrelétricas no Rio Tocantins. Isso me leva a crer que o controle de comportas em épocas de enchentes, trabalha a favor do combate aos transbordamentos.

 

Fotos que nos foram enviadas por proprietários de chácaras às margens do lago do Estreito, mostram que ele está com seu nível baixo. Isso porque o volume de água que desce nesse momento é suficiente para que a energia cinética seja desenvolvida.

“É a primeira vez que nosso pesqueiro fica em terra firme dessa maneira”. Disse um morador.

As Usinas Hidrelétrica não podem ser responsabilizadas por enchentes, tão pouco pelas consequências que elas ocasionam. A não ser pelos impactos ambientais, seja na fauna ou flora de áreas que ficam submersas por seus lagos. Bem como a assistências a famílias que habitavam essas áreas.

Posto tudo isso, vale dizer ainda que as ações públicas administrativas, seja de qualquer município localizado às margens de rios, precisam ser permanentes no que se refere a realocação de famílias ribeirinhas e mesmo a assistência a elas devida.

A UHE – Estreito tem sido alvo de calúnias por pessoas que desconhecem suas verdadeiras atribuições socioambientais.

A UHE – Estreito, única usina em funcionamento no Estado do Maranhão é na verdade um orgulho para a região Tocantina. Não só pela geração de emprego e renda e suas ações de reflorestamento, programas sociais, preservação de espécies e atenção com famílias realocadas de áreas alagadas, mas também por sua importância no universo enérgico Brasileiro.

Em visita de trabalho a UHE – Estreito em novembro de 2021, pude conhecer de perto sua magnitude e importância para o País.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.