Artilheiro do Brasileirão, Thiago Galhardo

Artilheiro do Brasileirão, Thiago Galhardo quase desmaiou em 1º treino de Coudet pelo Inter

Em entrevista, treinador revelou episódio inusitado de seus primeiros momentos no clube

O Inter lidera o Brasileirão após seis rodadas. E muito graças a Thiago Galhardo. O meia-atacante faz as vezes de Paolo Guerrero e comanda a equipe na melhor arrancada na competição desde 1979, ano do tricampeonato invicto. Não apenas pelos quatro gols que o fazem artilheiro isolado do Nacional, mas por ser peça-chave no funcionamento da equipe.

Galhardo também deu duas assistências e participou de seis dos 10 gols da equipe em seis partidas até aqui. Mas seu protagonismo vai além do Campeonato Brasileiro.

Ele é o vice-artilheiro da equipe na temporada, com nove gols – um a menos que Guerrero -, e o líder em assistências, com seis. Contribuiu com 15 dos 40 gols do Inter em 2020.

Todos números que mostram o quão bem se adaptou às ideias de jogo de Eduardo Coudet. Mas o início não foi tão fácil – e agradável – assim. Galhardo quase desmaiou no primeiro treino que comandou no Inter.

O episódio foi revelado pelo próprio treinador em entrevista ao ge e ao comentarista Paulo Vinícius Coelho.

Coudet falava sobre as dificuldades na adaptação ao futebol brasileiro e mencionou que a exigência física dos primeiros trabalhos pesou até que convencesse seus atletas a “comprar” suas ideias de um futebol agressivo e intenso.

– Os inícios são difíceis porque você tem que convencer. E é a partir do que o jogador começa a sentir bem, ter resultado. Não creio que seja muito agradável até que o jogador se adapte. No primeiro dia de treinamentos aqui, quase que me desmaia Thiago Galhardo. Mas claro que hoje se sente bem – revelou o treinador.

E Galhardo sente-se bem, mesmo. O próprio jogador falou sobre o trabalho de Coudet após a vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo. De acordo com ele, o estilo de jogo e as ideias do treinador facilitam sua vida e são um fator direto para a boa fase vivida atualmente.

– A gente não espera esses números. Até pelos grandes jogadores que tem ali na frente, o D’Alessandro, que é uma referência, o Guerrero. Aprendi muito aqui. Assimilei muito rápido o que Chacho pediu. Tem me ajudado muito, não só dentro de campo mas fora dele. Estou muito feliz em poder ajudar com gols e assistências, mas é a força de um grupo – disse Galhardo.

Neste processo de adaptação ao trabalho, Galhardo e Guerrero “compraram” a proposta de marcação alta, com intensidade para roubar a bola próximo ao gol. Coudet afirma que o mais difícil, de fato, foi plantar a ideia aos jogadores do sistema ofensivo.

– Apelo a uma frase de Guardiola: tem que sofrer durante a semana para desfrutar no fim de semana. Mas o mais difícil de convencer para recuperar a bola são os atacantes. A maneira de convencer o atacante é que é melhor correr 10 metros do que correr 50 quando se perde a bola. Esses 10 metros vão te gerar outra situação de gol quando recupera a bola. E os atacantes querem fazer gols. São egoístas. E eu gosto que sejam egoístas – diz Coudet.

“Eu sinto que entreguei o coração quando convenci um atacante de 36 anos a pressionar. E o Paolo corria 10 quilômetros por jogo nessa pressão. Mas o que ele gosta? De fazer gol” (Eduardo Coudet)

 

O Inter é líder do Brasileirão com 12 pontos. O Colorado volta a campo na próxima quarta-feira, às 21h30, quando enfrenta o Palmeiras em São Paulo, pela 7ª rodada.

Fonte: globoesporte.globo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *